Ubuntu 10.04 – teclado francês acentuaçao em português

Para quem tem teclado francês …. a língua portuguesa é mais rica
que a francesa em acentos. Logo, precisamos destes acentos, …. a saída
sao os composites. Após muitas horas de busca, encontrei esta soluçao
para 90% dos casos. O Til nao tem …

Ubuntu 10.04

Check out the “compose” key : > System > Prefs > Keyboard > Layout options > Compose key position. I choose right ctrl key (because I’m on a laptop and there is no right windws key).

Then “compose” + “,” + c = ç
With capslock on : Ç
Works for all letters with accents : “compose” + ~ + n = ñ (french keyboard and layout here, so no ñ or Ñ on keyboard for ex).

Anúncios

Usando o rsync

Tem tudo neste site http://www.thegeekstuff.com/2010/09/rsync-command-examples/

Abaixo o que interessa, especificamente o primeiro exemplo.

rsync is used to perform the backup operation in UNIX / Linux.

rsync utility is used to synchronize the files and directories from one location to another in an effective way. Backup location could be on local server or on remote server.

Important features of rsync

  • Speed: First time, rsync replicates the whole content between the source and destination directories. Next time, rsync transfers only the changed blocks or bytes to the destination location, which makes the transfer really fast.
  • Security: rsync allows encryption of data using ssh protocol during transfer.
  • Less Bandwidth: rsync uses compression and decompression of data block by block at the sending and receiving end respectively. So the bandwidth used by rsync will be always less compared to other file transfer protocols.
  • Privileges: No special privileges are required to install and execute rsync

Syntax

$ rsync options source destination

Source and destination could be either local or remote. In case of remote, specify the login name, remote server name and location.

Example 1. Synchronize Two Directories in a Local Server

To sync two directories in a local computer, use the following rsync -zvr command.

$ rsync -zvr /var/opt/installation/inventory/ /root/temp
building file list ... done
sva.xml
svB.xml
.
sent 26385 bytes  received 1098 bytes  54966.00 bytes/sec
total size is 44867  speedup is 1.63
$

In the above rsync example:

  • -z is to enable compression
  • -v verbose
  • -r indicates recursive

Now let us see the timestamp on one of the files that was copied from source to destination. As you see below, rsync didn’t preserve timestamps during sync.

$ ls -l /var/opt/installation/inventory/sva.xml /root/temp/sva.xml
-r--r--r-- 1 bin  bin  949 Jun 18  2009 /var/opt/installation/inventory/sva.xml
-r--r--r-- 1 root bin  949 Sep  2  2009 /root/temp/sva.xml

Example 2. Preserve timestamps during Sync using rsync -a

rsync option -a indicates archive mode. -a option does the following,

  • Recursive mode
  • Preserves symbolic links
  • Preserves permissions
  • Preserves timestamp
  • Preserves owner and group

Now, executing the same command provided in example 1 (But with the rsync option -a) as shown below:

$ rsync -azv /var/opt/installation/inventory/ /root/temp/
building file list ... done
./
sva.xml
svB.xml
.
sent 26499 bytes  received 1104 bytes  55206.00 bytes/sec
total size is 44867  speedup is 1.63
$

As you see below, rsync preserved timestamps during sync.

$ ls -l /var/opt/installation/inventory/sva.xml /root/temp/sva.xml
-r--r--r-- 1 root  bin  949 Jun 18  2009 /var/opt/installation/inventory/sva.xml
-r--r--r-- 1 root  bin  949 Jun 18  2009 /root/temp/sva.xml

Formatando pendrive do Linux – USB

Exemplo:
mkfs -V -t vfat -n arch_linux /dev/sdb1
mkfs eh um comando quase que default do linux.
A opcao -t eh o tipo da formatacao, vfat para windows 32 bits etc ….
A opcao -n eh o titulo a ser dado naquela particao …. no exemplo sdb1
De novo, se perde tempo encontrar o comando que faz o que se quer.

Instalando um Linux de um Pendriver – USB

Motivaçao: seu computador nao tem conexao de rede ou leitor de CD/DVD
Solucao: existem varios esquemas para fazer um boot a partir de um pendriver
Algo que achei simples para windows e linux: instalem o UNetbootin
Onde tem tudo: http://unetbootin.sourceforge.net/ ( UNetbootin Veja ai a pagina do UNetbootin ………. )
Tudo devidamente explicado. Como jah precisei disto varias vezes ….
Do dia … a unica dificuldade do linux é saber quais comandos e aplicativos fazem o que ….

Redimensionando o tamanho de fotografias

  • Cuidado ao fazer copy-paste dos scripts abaixo. Caracteres
    com outra codificaçao, pode levar a erros na execuçao.

    Tive problemas com isto, logo vai o alerta …

  • Para redimensionar o tamanho de fotografias, apagando as originais, este script funciona bem:

    Basicamente é usar o convert (vale a pena estudar), que faz um monte de coisas:

    Geometry/Resize/Size/Thumbnail: estes quatro comandos executam basicamente a mesma ação, redimensionam o tamanho da foto.

    $ convert -geometry 640x480 foto_source.jpg foto_dest.geometry.jpg
    $ convert -resize 640x480 foto_source.jpg foto_dest.resize.jpg
    $ convert -size 640x480 foto_source.jpg foto_dest.size.jpg
    $ convert -thumbnail 640x480 foto_source.jpg foto_dest.thumbnail.jpg

    Hà vàriaçoes para as 04 opçoes acima, explore-as e me retorne.


    #!/bin/bash
    echo "Converte imagens jpg para o formato 640x480 (or 480x640)"
    echo " APAGANDO as fotos ORIGINAIS "
    for i in *.jpg ;
    do
    convert -size 640x480 $i $i ;
    # convert -resize 480x640 $i $i ;
    echo "Resized image $i created. ==> OK" ;
    done

  • para rotacionar uma foto:
    convert -rotate 90 entrada.jpg saida.jpg
    pode ser -90 conforme o caso

  • Sem apagar os originais, copiando num diretorio temp:


    #!/bin/bash
    echo "Converte imagens jpg para o formato 640×480 (or 480×640)"
    echo " APAGANDO as fotos ORIGINAIS "
    mkdir temp
    for i in *.jpg ;
    do
    convert -resize 640x480 $i temp/$i ;
    # convert -size 480×640 $i temp/$i;
    done
    echo "Resized image $i created. ==> in temp OK" ;

    Melhorando a versao acima:

    #!/bin/bash
    echo "Converte imagens jpg para o formato 640×480 (or 480×640)"
    mkdir temp
    for i in *.[jJ][pP][gG] ;
    do
    convert -resize 640x480 "$i" temp/"${i%.[jJ][pP][gG]}_640x480.jpg" ;
    # cuidar com o x em 640x480 do utf8
    # convert -size 480×640 alternativo
    echo " ... converteu: " $i
    done
    echo "Resized image $i created. ==> in temp OK"
    ls -l temp/*.jpg

  • No linux o programa imageclik, traz o comando convert é utilizado para quase tudo.
  • Recuperando a Tabela de Partições

    Antes de instalar ou testar algum software, tenha certeza que tens back-up de seu sistema. Caso nao tenha
    espero que nao precise passar pelo sufoco que passei hoje (27/01). Por algum motivo, o meu HD externo de back-up perdeu a sua Tabela de Partições. O nome jah diz o que eh, e o apavoramento foi normal, até encontrar um salvador: gpart.
    A mensagem de erro é esta:
    sdb: unknown partition table
    Os passos de recuperaçao basico sao:
    1. apt-get install gpart
    2. gpart /dev/sdb
    Confira se o que ele conseguiu detectar é o querias. Vale rezar e torcer muito ….
    goedel:/home/claudio# gpart /dev/sdb

    Begin scan…
    Possible partition(ReiserFS filesystem), size(30678mb), offset(1mb)
    Possible partition(Windows NT/W2K FS), size(79603mb), offset(34867mb)
    End scan.

    Checking partitions…
    Partition(Linux ext2 filesystem): primary
    Partition(OS/2 HPFS, NTFS, QNX or Advanced UNIX): primary
    Ok.

    Guessed primary partition table:
    Primary partition(1)
    type: 131(0x83)(Linux ext2 filesystem)
    size: 30678mb #s(62830080) s(4095-62834174)
    chs: (0/65/1)-(1023/254/63)d (0/65/1)-(3911/62/54)r

    Primary partition(2)
    type: 007(0x07)(OS/2 HPFS, NTFS, QNX or Advanced UNIX)
    size: 79603mb #s(163027616) s(71408925-234436540)
    chs: (1023/254/63)-(1023/254/63)d (4445/0/1)-(14592/254/59)r

    Primary partition(3)
    type: 000(0x00)(unused)
    size: 0mb #s(0) s(0-0)
    chs: (0/0/0)-(0/0/0)d (0/0/0)-(0/0/0)r

    Primary partition(4)
    type: 000(0x00)(unused)
    size: 0mb #s(0) s(0-0)
    chs: (0/0/0)-(0/0/0)d (0/0/0)-(0/0/0)r

    3. Se deu algo como a resposta anterior, agora o passo de gravar estes resultados
    validos com: gpart -W /dev/sdb /dev/sdb
    4. claudio@goedel:~$ dmesg | grep sdb
    confira algo como sdb: unknown partition table antes e
    agora: sdb: sdb1 sdb2
    5. Monte a partiçao desejada em algum lugar:
    /dev/sdb2 /media/sdb2 auto rw,users,auto,exec,umask=000 0 0
    o tipo de arquivo deve ser auto …

    Enfim, sempre tenha back-up para nao ter que passar 5 horas procurando uma soluçao.

    Partição NTFS no Linux – Erro de Leitura

    Tenho meus back-ups numa partição NTFS, em um HD-portátil. Algo que dá versatilidade no sentido de que há muitas máquinas com o sistema da Microsoft. Este é um HD-EXTERNO via USB, e plugo-o em qualquer OS.
    Claro que um belo dia, voce tem que passar um scandisk e um defrag via Windows. O detalhe é quem para que só usa Linux, isto fica difícil. Logo, segue a dica para aqueles que passaram um sufoco com erro de leitura na partição NTFS. A dica veio do
    http://ubuntuforum-br.org/index.php?topic=39495.0.

    Basicamente, como su, faça:

    1. apt-get install ntfsprogs
    2. ntfsfix /dev/sda3
    3. ntfs-3g /dev/sda3 /media/sda3/ -o force
    (aqui nem precisa mais da opção force)

    No meu fstab tem um linha do tipo:
    /dev/sda3 /media/ext_3 ntfs-3g rw,users,auto,exec,umask=000 0 0

    O detalhe está no pacote: ntfsprogs (obrigado aos programadores deste pacote). Tudo funcionou 100%.

    Gravando e apagando arquivos .iso em Cds e DVDs

    Talvez o incoveniente do Linux é que há muitas maneiras de fazer uma única coisa. Gravar um CD ou um DVD é uma delas. Assim, segue algo que dispende sempre de tempo até achar o comando certo e as opções. Gravar uma imagem .iso de um diretorio para cdrom com lenny-debian:

    # cdrecord -v dev=/dev/scd0 blank=fast
    (utilizei este comando para apagar um CD-RW regravàvel; unidade scd0)
    # cdrecord -v dev=/dev/sr0 blank=fast (algumas distros, o cdrom estah em sr0)
    Atencao: o CDROM deve estar desmontado !!!


    # cdrecord -v speed=4 -eject dev=0,0,0 -data debian-502-i386-xfce+lxde-CD-1.iso -dev=/dev/hdc
    # cdrecord -v speed=8 -eject dev=0,0,0 -data debian-testing-i386-CD-1.iso -dev=/dev/scd0
    # cdrecord -v speed=8 -eject dev=0,0,0 -data disto.iso -dev=/dev/sr0

    Os comandos estao em negrito …. tenho usado muito recentemente.

    Se quiseres extrair músicas ou ripar (na gíria), use
    o cdparanoia … em um diretório temp ou corrente:
    $ cdparanoia -B
    Ou melhor ainda, especificando o driver do CD corrente, no caso é o hdd
    $ cdparanoia -B -d /dev/hdd
    (o meu leitor de CD é o /dev/hdd)

    Isto irá extrair todas as faixas do Cd para o diretório corrente, salvando-as como track01.cdda.wav, track02.cdda.wav, etc. Você também pode extrair uma única faixa, já salvando-a com o nome desejado usando:

    $ cdparanoia 2 faixa.wav

    Agora voce pode gravar musicas com a extensão .wav de um diretorio para o gravador que está em /dev/hdc:
    # cdrecord -v speed=4 -eject dev=0,0,0 -data * -dev=/dev/hdc
    ou
    # cdrecord -v speed=4 -eject dev=0,0,0 -data *.wav -dev=/dev/hdc
    (o meu gravador é o /dev/hdc)

    Tudo isto sob o Debian!

    Creio que todos parâmetros são auto-explicativos. Dúvidas cdrrecord –help e cdparanoia –help. Basicamente se faz tudo com eles.
    u